Exercício da Aldeia

Esta atividade interativa e física dá aos participantes uma experiência de ação não-violenta e pode unir grupos através do compartilhamento de experiências. É um grande desafio para o grupo, é divertido e sempre proporciona muitas reflexões sobre estratégia, ação direta e mudança social.

Duração: 30-60 minutos Tamanho do grupo: 15-50+ pessoas

 

Vocês vão precisar de:

– Muito giz de cera/canetas coloridas

– Algumas mudas de roupas podem ser ótimas (por exemplo, terno ou gravata)

– Dois/duas facilitadores(as) (ou mais)

 

Como fazer

Diga ao grupo que esta é a sua chance de criar uma comunidade ideal. No início, o grupo vai perceber isso como um exercício de visão. Divida-o em pequenos grupos (de 5 a 8 pessoas em cada grupo) e dê a cada grupo um grande papel para ser colocado no chão. Você também pode fazer esta atividade em mesas, mas isso exige, por segurança, a remoção das cadeiras antes da parte de “rasgar” deste exercício.

Pergunte ao grupo: “O que você gostaria de ver em uma comunidade ou vila ideal?”. Quando as pessoas derem exemplos, entregue canetas hidrocor ou giz de cera para elas e as encoraje a desenharem ou escreverem suas ideias no papel a seus pés. Conforme as ideias forem crescendo, dê mais canetas coloridas aos vários grupos e os encoraje a desenharem juntos. Anuncie que eles têm dez minutos para desenhar. Dê atualizações sobre o tempo, como “Agora vocês têm 5 minutos”, “Agora vocês têm dois minutos”, etc.

Após 10 minutos, peça aos grupos que “deem uma volta”, olhando para os outros papéis e explicando sua comunidade para os outros. Em seguida, convide as pessoas a voltarem a desenhar por mais um minuto, para acrescentar mais coisas às suas comunidades. Ao fim desse um minuto, pegue de volta as canetas. Para que este exercício funcione bem, é importante que cada grupo se sinta ligado à comunidade que ele criou.

Depois de pegar de volta as canetas, comece apresentando-se como o chefe de uma empresa de combustíveis fósseis. Sinta-se livre para adaptar o seu papel a uma situação local. Se este for um grupo mais avançado, você pode tornar o desafio mais difícil/complexo, por exemplo, sendo alguém que investe dinheiro em uma empresa que diz fazer um bom trabalho ambiental.

Enquanto você estiver contando informações sobre sua corporação, mova os papéis de lugar. Depois de mais ou menos um minuto, suba em um papel e rasgue uma parte dele – para a sua fábrica, usina, shopping ou qualquer outra coisa. Você também pode usar uma caneta permanente para marcar a comunidade – por exemplo, para adicionar uma refinaria de petróleo (mas certifique-se de não usar as canetas nas pessoas).

Continue rasgando os papéis em pequenas quantidades e continue falando sobre as vantagens do desenvolvimento, etc. É fundamental que você controle o tempo que você leva ao usurpar o papel, de forma que seja lento o suficiente para que os grupos não fiquem desencorajados a ponto de desistirem. Eles precisam de tempo para entender o que está acontecendo e se organizar contra você.

Grupos ativistas experientes serão capazes de tolerar rasgos mais rápidos. “Iniciantes” precisarão que você vá bem devagar. Você não quer criar desespero. Nem quer “vencer”. Continue rasgando pequenos pedaços de papel até que o grupo tenha se organizado contra você para que eles possam ter uma experiência de ação não-violenta. Os grupos podem fazer isso de várias maneiras: deitando no papel, tentando falar com você, escondendo o papel, impedindo você fisicamente, sentando no papel, etc. Permita a resistência deles até que se torne muito difícil ou até impossível para você continuar.

O ideal é que esta seja uma experiência bem-sucedida de resistência, mas se o grupo simplesmente não conseguir se organizar contra você, termine o jogo, discuta sobre o que eles poderiam ter feito, e tente jogar novamente.

 

Discussão: reflita sobre o que aconteceu

Convide as pessoas para compartilharem seus sentimentos – tente obter uma gama de sentimentos diferentes (incluindo raiva, decepção, desconfiança). Peça uma variedade de vozes e perspectivas sobre o que aconteceu. Certifique-se de trazer à tona o momento em que eles começaram a ficar desconfiados, e o que eles fizeram em relação a isso. Garanta que a frustração e a raiva das pessoas seja expressada.

(Dica: Alguns instrutores usam fantasias – como uma gravata ou chapéu – para indicar que estão atuando. É neste momento da discussão que eles tiram sua fantasia.)

Este exercício pode ser intenso. Se for preciso, façam uma pequena pausa.

 

Discussão: e então?

Forme pequenos grupos de quatro pessoas para apontarem pelo menos quatro coisas que funcionaram na resistência. Peça a esses pequenos grupos para identificarem pelo menos três desafios para a criação de unidade e poder, e três coisas que os ajudaram a construir unidade e poder. Faça uma lista disto.

(Claro, altere estas perguntas se você estiver buscando ensinar outros objetivos.)

Este é um ótimo momento para contar histórias da vida real sobre como as pessoas têm usado campanhas para resistir ou outras campanhas da 350 contra a indústria de combustíveis fósseis.

 

Discussão em pequenos grupos: o que podemos fazer?

Nos mesmos pequenos grupos de quatro pessoas, dê cinco minutos para elas listarem pelo menos cinco lições que vão levar para seus grupos e trabalhos da vida real. Reúnam-se e façam uma lista com o trabalho dos pequenos grupos, enumerando suas lições no papel.


Incorporar este recurso: