Maximizar / Minimizar o Aprendizado

Um grupo em Fiji se reuniu para conversar sobre a possibilidade de usarem canoas para interromper as cargas gigantes de carvão de chegarem ao seu destino. Essa ação envolvia riscos, e correr riscos requer confiança no grupo e vontade de aprender e de tentar algo novo. Então, os facilitadores utilizaram essa ferramenta para iniciar uma conversa sobre como as pessoas “maximizam” e “minimizam” seu aprendizado. Esta ferramenta, altamente adaptável, constrói confiança e honestidade entre o grupo e cria um espaço onde as pessoas podem ajudar umas às outras a aprenderem mais profundamente.

Duração: 20-45 minutos Tamanho do grupo: 5-40 pessoas

Como funciona

O poder desta ferramenta e como ela pode ser adaptada (veja abaixo) vem do fato de que quase tudo na vida tem uma força e uma fraqueza. Este tipo de lista – chamada de gráfico de ambivalência – incentiva as pessoas a falarem sobre esses dois lados, e frequentemente resulta em muita honestidade.

O(a) facilitador(a) primeiro pergunta: “Como, na sua experiência, você maximiza o valor de uma experiência de aprendizado? Por exemplo, se um amigo se oferece para mostrar como usar um novo programa de computador, ou se você faz um curso noturno para aprender uma nova habilidade… como você maximiza seu aprendizado?”.

(Note que você não está perguntando como o professor pode ser mais eficaz. Este enquadramento é sobre empoderamento e o que eles(as) fizeram para maximizar seu próprio aprendizado.)

Listem as ideias e interajam. Peça um exemplo ou dois; peça que aqueles que acharam uma forma de maximizar o valor levantem as mãos; pergunte sobre ideias inovadoras que podem ser novas para o grupo.

 

Quando o grupo já tiver criado uma lista suficiente (não exaustiva) e entendido as várias formas de maximizar seu aprendizado, pergunte: “Como, em sua experiência, você minimiza o valor de…?”. Sorria, lembre os membros do grupo de que este é o momento de serem honestos(as), permita que eles se abram e falem de si mesmos. Interaja bastante com eles após a primeira ou a segunda fala (mas não no início). Peça exemplos primeiro, depois pergunte como estas formas de minimização podem aparecer ao longo do workshop.

Por exemplo, pergunte: “Depois do almoço, você fica com sono e começa a desligar? Quem mais aqui também faz isso às vezes? (peça para levantarem as mãos) Quando você começa a desligar assim, o que você já aprendeu que lhe ajuda a voltar para a realidade?”. Recolha ideias dos participantes (não é necessário anotar). Outra maneira de fazer esta pergunta é: se algo assim acontecer neste grupo, como vamos saber? Como vocês vão maximizar seu próprio aprendizado?

 

Como adaptar a atividade

Esta estrutura – de maximizar/minimizar – pode ser facilmente adaptada. Algumas adaptações incluem:

  • Como podemos maximizar/minimizar a sensação de conforto de novas pessoas que estejam participando de nossas reuniões?
  • O que nós fizemos para maximizar/minimizar a participação do grupo em nossa última ação?
  • Quais são os pontos positivos/negativos do nosso grupo ao praticar desobediência civil? (essa é uma ótima avaliação para ser feita antes de tomar uma decisão)
  • Quais são alguns pontos positivos/negativos da forma com que estamos executando nossa campanha atual? (uma grande ferramenta para a autoavaliação da campanha);
  • Você captou a ideia!

 

Esta ferramenta vem da Training for Change, www.TrainingForChange.org


Incorporar este recurso: