Jogos/Atividades Energizantes/Dinâmicas

Duração: 5-10 minutos Tamanho do grupo: 5-50+ pessoas

Sim, vamos (ou Vamos todos)

O(a) instrutor(a) explica que a criatividade inclui deixar as ideias fluírem, ouvir e responder com improvisação. Os participantes caminham pelo espaço, e cada um deve dizer uma vez “Vamos todos…” (pode ser imitar um animal, objeto, qualquer coisa). O grupo todo responde “Sim, vamos todos…” e imita o item sugerido com seus corpos (“Vamos todos pular”, “Vamos todos ser tigres”, etc.).

 

 

Elefantes, Torradeiras e Palmeiras (do projeto Alternatives to Violence, EUA)

Organize as pessoas em círculo e fique no centro para organizar a atividade. A pessoa no centro aponta para alguém e diz “Elefante!”, “Palmeira!” ou “Torradeira!”. Quando ela apontar para alguém e disser “Elefante!”, esta pessoa deve se curvar e abaixar seu braço para imitar uma tromba. As pessoas dos seus dois lados devem levantar seus braços perto dela, para fazer as orelhas do elefante. Quando a pessoa no centro da roda apontar para alguém e disser “Palmeira!”, a pessoa para quem ela tiver apontado deve erguer os braços, colocando as mãos para cima. As pessoas dos seus dois lados devem então fazer os galhos que saem lateralmente da árvore. Quando a pessoa no centro apontar para alguém e disser “Torradeira!”, esta pessoa deve fazer um movimento para cima e para baixo (pulando ou fazendo outro gesto) e as pessoas dos seus dois lados devem dar as mãos em volta da pessoa que tiver sido apontada. Quem errar ou hesitar em sua reação deve ir para o centro do círculo. Acelere o ritmo para manter o jogo engraçado!

 

Organizar a fila

Esta dinâmica desafia todo mundo a cooperar em silêncio – as pessoas podem, no entanto, usar gestos. A tarefa do grupo é se organizar de acordo com mês e dia de aniversário (ou altura, idade, ou…). Pare quando o grupo indicar que acredita já estar em ordem. Ao final, deixe as pessoas conversarem e verem o quanto deu certo a organização da fila.

 

O vento forte sopra

O número de assentos no círculo é suficiente para todo mundo, exceto para você. Você é o Vento Forte, e as pessoas que você soprar precisam se mover. Em vez de soprar, você diz “O vento sopra em todo mundo que…” e então completa com uma descrição de algo que seja verdadeiro para você. Por exemplo: “em todo mundo que estiver vestindo meias pretas”, ou “em todo mundo que estiver nervoso”. Todo mundo que se encaixar na descrição deve se levantar e mudar de lugar. Nessa comoção geral, você também vai tentar conseguir um lugar. Quem ficar em pé, acaba sendo o Vento Forte na vez seguinte. Se o Vento Forte falar “Furacão”, então todo mundo tem que trocar de lugar.

 

Por que…? Porque… (de Gerald Gomani, Zimbábue)

Faça com que metade das pessoas do grupo escreva uma pergunta com “por que” (“Por que a grama é verde?”, “Por que existe sofrimento?”). Faça com que a outra metade escreva uma resposta usando “porque” (“Porque eu disse que sim.”, “Porque ela flutua.”, etc.). Não dê nenhuma indicação sobre o propósito ou os tipos de perguntas com “por que” e respostas com “porque” as pessoas deveriam escrever. Então – e esse pode ser um exercício hilário – ande pela sala e faça com que os “por quês” perguntem e os “porquês” respondam.

 

Alongamento estratégico (de Erika Thorne, EUA)

Uma atividade simples de alongamento, mas mesclada a princípios ativistas. Comece fazendo com que as pessoas fiquem a algum espaço de distância umas das outras. Cada etapa envolve uma nova direção para que as pessoas alonguem fisicamente seus corpos: “Alongue-se para cima na direção de sua visão; dobrando o corpo na altura da cintura, alinhando o tronco em paralelo ao chão, alongue seus braços na direção de seus aliados e colegas; dobrando o corpo para baixo na altura da cintura, alongando as costas para baixo, alongue-se na direção das bases, o que lhe sustenta; e alongando as costas, incline-se para trás, na direção de seus ancestrais, aquelas pessoas atrás de vocês que lhes apoiam.”.

 

Algo verdadeiro sobre você (de Gerald Gomani, Zimbabwe)

Faça com que cada participante escreva algo de verdadeiro sobre si mesmo (qualquer coisa), sem seu nome, em um pedaço de papel. Então, peça que façam bolinhas com esses papéis. Depois, atirem essas bolas de neve uns nos outros! Depois de alguns minutos de brincadeira, faça com que o grupo leia as bolas de neve.

 

Sim, e…

Esse joguinho bobo é jogado em pares. Uma pessoa começa anunciando “Vamos…” – por exemplo, “Vamos dar uma caminhada” ou “Vamos dançar na lua” (Nessa atividade, não é preciso fazer a ação que foi dita.). Seu par responde: “Sim, e…” e adiciona qualquer coisa que lhe ocorrer. Isso continua entre todos os pares na sala. Vocês podem esperar muitas risadas.

 

Juntar uma grana (de Ouyporn Khuankaew, Tailândia)

Neste jogo, todos serão uma moeda tailandesa (pode ser adaptado para a moeda corrente de qualquer lugar). Como funciona: se você tiver mais do que 46 anos, você será 1 baht. Se você tiver entre 36 e 46 anos, você será 25 sadang (0,25 baht). Se você tiver menos de 36, você será 50 sadang (0,5 baht). Então, o(a) instrutor(a) pede uma quantia de bahtes – por exemplo, “2 bahtes e meio”, “3,75 bahtes”, e por aí vai. Depois de cada pedido, os participantes tentam se reunir em grupos físicos cuja soma seja igual ao valor solicitado.

 

Cesta de compras para frutas (de Ouyporn Khuankaew, Tailândia)

Faça com que todo mundo sente em um círculo. Escolha uma categoria, como frutas, livros ou animais. Peça que alguém ande no interior do círculo e comece a “comprar” alguns itens daquela categoria (falando seus nomes em voz alta). Cada pessoa deve pensar e escolher, sem falar, um item dessa categoria (se a categoria for fruta, elas poderão pensar em laranja, banana ou jaca, por exemplo). Se a fruta que alguém pensou tiver seu nome dito, essa pessoa deve se levantar, ficar atrás da pessoa que está fazendo as compras e segui-la. Essa pessoa continua procurando itens, até que todos tenham sido chamados. Então, é a hora do “pagamento” e todos devem procurar um lugar para sentar novamente. A pessoa que sobrar em pé deve andar pelo interior do círculo…

 

Botes salva-vidas

Neste exercício, participantes se reúnem com outras pessoas de acordo com suas similaridades. Por exemplo, se você disser “Juntem-se em grupos de pessoas que têm a mesma fruta preferida”, todos devem dizer sua fruta preferida e procurar outras pessoas que compartilhem essa similaridade, formando grupos com elas. Exemplifique e depois eles devem fazer a atividade. Faça com que cada grupo diga o nome de sua fruta, grupo por grupo. Continue mudando os grupos, a partir de diferentes tópicos, dos mais bobos aos mais sérios: por exemplo, animal preferido, letra que menos gosta no alfabeto romano, tradição religiosa e por aí vai.

 

Dani foi para Vênus…

Faça com que o grupo se organize em um grande círculo. Explique que a primeira pessoa deve dizer: “Você ficou sabendo?”. A segunda pessoa (a pessoa ao lado direito da primeira) dirá: “Do quê?”. Primeira pessoa: “Dani foi para Vênus”. Segunda pessoa: “Sério? Como?”. Primeira pessoa: “Ela foi para Vênus deste jeito!” – e então começa a fazer algum movimento repetitivo. Todas as pessoas no círculo repetem esse movimento (e continuam imitando a primeira pessoa). Então, a pessoa à esquerda da primeira pessoa reinicia a série: “Você ficou sabendo?”; “Do quê?”; “Dani foi para Vênus”; “Sério?” “Como?”; “Ela foi para Vênus deste jeito” e faz seu próprio movimento (que o grupo deverá imitar). O processo continua, percorrendo todo o círculo, até que todos tenham feito seu movimento. Em grandes grupos, isso pode ser feito em vários círculos menores simultaneamente.

(Atividades energizantes online)


Incorporar este recurso: